Associação dos Pacientes Portadores de Doença de Chagas promove a “Semana do Desapego”

Você quer se desfazer de coisas que não usa mais? Coisas que admiramos, que nos afeiçoamos, mas que, de certa maneira, estão sobrando em nossas vidas? Pensando nisso, a Associação dos Pacientes Portadores de Doença de Chagas, Insuficiência Cardíaca e Miocardiopatia de Pernambuco (APDCIM/PE), promove, de 18 a 22/11, a "Semana do Desapego".

A ideia é receber as doações e, nos dias 11 e 12 de dezembro, promover o grande “Bazar Natalino 2019”. Toda a renda arrecadada será revertida em alimentos, medicamentos e outras necessidades de pacientes mais carentes.

As doações poderão ser entregues na própria Associação, que fica na Rua Álvares de Azevedo, 220, Santo Amaro, próximo ao Pronto Socorro Cardiológico Universitário da Universidade de Pernambuco (Procape/UPE). Quem preferir pode agendar uma data e local através dos e-mails: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., que uma equipe irá recolher as doações no local.

APDCIM - Criada em 1987, é a primeira no mundo dedicada aos pacientes chagásicos, incentivada pelo ambulatório de Doenças de Chagas, que anteriormente funcionava no Hospital Universitário Oswaldo Cruz da UPE (Huoc), atua como coadjuvante do Ambulatório realizando ações com a participação de voluntários.

A missão da ONG é dar assistência tanto na parte psicológica quanto na pessoal. Há reuniões semanais, nas quais médicos cardiologistas, assistentes sociais, psicólogas, enfermeiras e nutricionistas esclarecem dúvidas dos pacientes e orientam como devem se comportar quanto ao tratamento, já que possuem algumas restrições, mas podem seguir a vida normalmente se tomarem os devidos cuidados.

A Associação tem servido de estímulo à criação de outras associações análogas no Brasil (São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro), e, até, no exterior, em mais de 14 países dos cinco continentes. Em 2009, a Associação e o Ambulatório, com o apoio do Procape/UPE, promoveram um encontro de Associações, em Olinda, culminando com a criação da Federação Mundial de Pessoas Afetadas pela Enfermidade de Chagas (FINDECHAGAS).

Quem quiser colaborar com doações de alimentos, produtos de higiene pessoal, roupas novas ou usadas e medicamentos pode ligar para o telefone: (81) 3181-7211 / 3076-5746, falar com Maria José. Quem preferir pode, também, fazer doações em dinheiro, através de depósito bancário na seguinte conta: Banco Santander (033), agência: 4020, conta corrente: 13000013-2.

AMBULATÓRIO: Nascido no Huoc/UPE e transferido para um anexo ao Procape/UPE em 2010, quando passou a ser mais conhecido como Casa de Chagas, um dos fundadores e chefe do setor, Dr. Wilson de Oliveira Júnior, traduz a filosofia da equipe: “Procuramos dar atenção integral ao paciente, não apenas com ações de tratamento mas também com o enfoque biopsicossocial, dessa forma, sendo necessária uma equipe multidisciplinar”.

Apesar de algumas dificuldades, o ambulatório de Chagas da UPE é referência no Estado e até no Nordeste, apresentando um quantitativo de 2800 pacientes cadastrados e uma média de 1800 consultas por mês.

DOENÇA - O mal de Chagas não é uma doença democrática, existe devido às condições precárias de moradia e, em sua maioria, atinge a população pobre. O perfil dos pacientes atendidos se caracteriza por adultos, entre 30 e 50 anos, com predominância do sexo feminino, procedência rural, baixo nível socioeconômico, com precária formação escolar e profissional, o que não descarta a possibilidade de ser acometida numa classe social mais elevada.

Dentro desse contexto, e sendo a doença de Chagas classificada como uma doença extremamente negligenciada, pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2010, a Secretaria Estadual da Saúde lançou o programa estadual de enfretamento às doenças negligenciadas "Programa Sanar". O Sanar passou a conduzir, de forma pioneira dentro do Estado de Pernambuco,  todas as ações de assistência integral aos pacientes portadores de agravos negligenciados, tais como: Hanseníase, Tuberculose, Tracoma, Leishimaniose, Esquistossomose e Doença de Chagas.

A partir de então, o serviço da UPE em doença de Chagas, é reconhecido oficialmente como a Referência Clínica no Manejo Clínico de Pacientes com doença de Chagas do Estado de Pernambuco.